Franchising: o mercado que não foi afetado pela crise

Entenda como começar um negócio no segmento de reparo de smartphones
agosto 13, 2017
Exibir tudo

Franchising: o mercado que não foi afetado pela crise

Ao contrário da retração que a crise econômica impôs, o setor de franchising saiu na contramão, embora o cenário não fosse dos mais favoráveis. Segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), o mercado de franquias cresceu cerca de 8,3% em 2016, algo entre 150,7 bilhões. Quanto ao número de unidades, o crescimento foi de 3,10%, isto é, 142 mil novas unidades franqueadas em todo o país. Um recorde para o setor.

Investir em franquias tem sido a alternativa que muitas pessoas encontraram para “burlar” os tempos de crise e conseguir trabalhar e, acima disso, conseguir bons lucros. Não só pela praticidade, mas também por serem tão rentáveis, as franquias têm crescido e chamando cada vez mais atenção chamar a atenção dos pequenos investidores por seu baixo custo operacional e simplicidade de gestão.

O interessante deste modelo de negócio é que o franqueador (empresa) fornece ao franqueado tudo o que precisa para trabalhar. No caso, a tecnologia, marca, produtos e serviço. Algumas até prestam consultoria durante o processo de implementação. E em troca, além do investimento inicial, o franqueado paga royalties mensais para utilizar a marca, pelo treinamento e processos de trabalho.

No entanto, embora sejam acessíveis e práticas, as franquias demandam que o perfil do futuro candidato a franqueado esteja alinhado com a proposta do modelo. Além disso, por se tratar de uma franquia, não há tanta autonomia.

Outro ponto importante a salientar é que o franqueado precisa estar atento ao contrato e às condições do modelo de negócio. O ideal é que procure sempre outros franqueados da marca para conversar e tirar dúvidas, para entender quais são dificuldades e necessidades da franquia, e então decidir se vale a pena ou não.

Atualmente, há vários modelos de franquias que demandam o investimento inicial de R$ 10 mil reais e vão até R$ 50 mil reais, o que é muito vantajoso para quem está começando e ainda está apreensivo em investir. Antes de escolher a rede em que pretende ser franqueado, avalie se possui o capital necessário e também, como dito acima, converse com quem já está no negócio para ter referências e não entrar numa presepada.

 

Para este ano de 2017, estima-se que o mercado de franquias cresça até 9% e o destaque são as microfranquias, que possuem preços mais acessíveis e podem ser operadas no estilo ‘home work’ (trabalhar diretamente de casa).

Atualmente, há vários modelos de franquias que demandam o investimento inicial de R$ 10 mil reais e vão até R$ 50 mil reais, o que é muito vantajoso para quem está começando e ainda está apreensivo em investir.

Entretanto, antes de escolher a rede em que pretende ser franqueado, o ideal é avaliar se possui o capital necessário e também que converse com quem já está no negócio para ter referências e não entrar numa presepada.